Pular para o conteúdo principal

INOVAÇÃO CONTINUADA

Fonte da Ilustração: http://www.business-strategy-innovation.com/

Se há um assunto que está na ordem do dia no campo da gestão, este tema é a inovação. No exterior e aqui dentro; nas indústrias, nos escritórios e na academia não há matéria mais estudada e comentada.

E como sempre ocorre nestes momentos, surge a pergunta: será apenas mais um daqueles modismos da administração que, em breve, como tantos outros, cairá no ostracismo?

Neste caso, estou convencido que não e explico.

Se olharmos com atenção a cronologia das grandes invenções, aquelas que mudaram a vida da humanidade, veremos que elas foram se tornando mais freqüentes com o passar dos séculos. Mais que isto, perceberemos também que o ritmo do surgimento de invenções tem se dado a taxas crescentes ao longo dos anos mais recentes.

Vivemos, por assim dizer, tempos de inovação continuada. E nada faz crer que isto venha a mudar em um futuro previsível. Muito ao contrário, há tantas tecnologias novas, a preços cada vez mais competitivos, que a capacidade inventiva de países, organizações e pessoas estará municiada como nunca.

Este inédito conjunto de oportunidades não será, no entanto, neutro. Sempre haverá ganhadores e perdedores nesta incessante luta por fatias de mercado, principalmente nos segmentos de produtos e serviços mais sofisticados, sinônimos de riqueza.

Esta batalha não é para amadores, ela envolverá a contínua recalibragem das economias nacionais para a produção de conhecimento e conseqüente geração de novos processos, produtos e serviços.

Para quem quiser sentir como esta questão já ocupa a agenda estratégica de diversos países tradicionalmente inovadores ou pretendentes a tal, recomendo a leitura de um alentado estudo, cuja nona edição acaba de ser divulgada pela European Commission Enterprise and Industry, denominado “European Innovation Scoreboard 2009 – Comparative Analysis of Innovation Performance”, disponível para download gratuito.

Este relatório detalha tendências e indicadores referentes aos esforços de inovação em 27 nações européias. Estados Unidos e Japão, pela liderança, e os BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China), pela emergência, são também referenciados neste trabalho. A leitura do documento certamente deixará no leitor, a sensação de que os bons tempos de poucos riscos e lideranças bem consolidadas estão, rapidamente, ficando para trás.

Como tira-gosto, aponto três conclusões que me chamaram a atenção no documento:

1. No bloco dos 27 países europeus esboça-se uma tendência à convergência. Isto é, as nações situadas no segmento inferior em um ranking de inovação montado com base em um índice síntese (SII) que envolve a ponderação de 29 indicadores, tiveram, em média, melhor desempenho que as nações do segmento superior.

2. Em relação às nações líderes, Japão e Estados Unidos o gap continua expressivo sem tendência de diminuição a curto prazo. Os indicadores que mais influenciaram para a permanência deste quadro foram: número de patentes internacionais, gastos das empresas com pesquisa e desenvolvimento e número de pesquisadores.

3. Já, frente aos BRICs, o índice aponta forte e estabilizada liderança européia, quando se considera apenas Brasil, Índia e Rússia. Analisando-se isoladamente a China, no entanto, a situação é bem outra, uma vez que, mantendo-se as tendências atuais, este país atingirá os padrões europeus em dez anos.

Voltaremos ao assunto em breve.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…