Pular para o conteúdo principal

Transparência Olímpica

Então a cidade do Rio de Janeiro será a sede das Olimpíadas de 2016 e, deixando de lado a inundação de notícias que alagou toda a mídia durante essa semana, caímos na real e não nos deixemos iludir pelos argumentos do quanto isso é bom para a economia, para a imagem do país ou para o esporte.

Ainda não temos uma política de esportes, mais de 95% das escolas não tem nenhuma quadra para a prática esportiva. Na economia, é contar com o ovo na galinha, se tomarmos o que aconteceu em Montreal, sede olímpica de 1976, vemos que a cidade canadense só acabou de pagar as contas do evento em 2006. Quanto à imagem, que afaste não somente as questões de segurança mas, essencialmente, os riscos de corrupção... bem, isso deve começar imediatamente... e parece que começou.

A prefeitura da cidade do Rio lança hoje o site Transparência Olímpíca, no qual promete prestar contas de onde vem e para onde vai o dinheiro despendido (ou investido, para os incautos) na montagem das Olimpíadas de 2016. Comentando o site, prefeito Eduardo Paes afirmou ao JBOnline:
"Pretendemos colocar esse site para incluir o planejamento estratégico da Prefeitura. O site servirá para consulta do que está sendo gasto, de onde vem e em que está sendo aplicado o dinheiro."
Torço, como se fosse por uma medalha de ouro para a equipe nacional, que o site traga as informações reais e compreensíveis, a exemplo do site Recovery, criado pela Casa Branca para que o cidadão acompanhe o caminho do dinheiro da recuperação econômica americana. É importante aceitar o princípio de que a transparência não é apenas a informação se encontrar disponível, é fazê-la compreensível ao cidadão comum.


Post post>> Um anônimo comentou (no link abaixo do post) indicando que o site dispõe de API's, que são pequenos aplicativos que permitirão o acesso e a mesclagem dos dados do site. Estão em API Transparencia olimpica.

Comentários

Anônimo disse…
O site expõe uma API de consulta dos dados em tempo real, dessa forma é possível criar um ecosistema de sites que acessam diretamente os dados do transparenciaolimpica.com.br e que podem servir como auditores dos gastos da olimpiada até então.

API Transparencia olimpica
Olá, Administrador! Concordo plenamente com você sobre as Olimpíadas. Não me iludo. Não é pessimismo. É realismo. A corrupção se espraia nesse país e nós precisamos acordar, ficarmos em alerta e parar de acreditar nesses caras que pensam que somos todos imbecis. Seu blog é muito interessante. Vou segui-lo. Abraços, Sônia Silvino.
Alvaro Gregorio disse…
Olá Sônia,

Nossa realidade dá provas que devemos ficar alertas ao tratar do dinheiro público. É estranha a comemoração, por exemplo, de que o governo federal empresta dinheiro ao FMI e dá calote no contribuinte do IR.
Cautela, canja de galinha e transparência são recomendadas.
Grato pelo comentário.

Alvaro Gregorio

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado