Pular para o conteúdo principal

Nanovisão 10 X Nanotecnologia 0


Inflação controlada, grandes reservas de petróleo na camada do pré-sal, recuperação da economia, Copa do Mundo de 2014, Olimpíada de 2016. É só alegria.

Ainda que, meus amigos, eu também esteja feliz e, por vezes, até me emocione com muitas dessas notícias, vira e mexe, tenho uma recaída. Nesses momentos, com a boca amarga e certa agitação, eu começo a repetir, sem parar, o principal bordão de minhas postagens no iGov Brasil: Que país queremos ser?

Será que a atual agenda de boas novas está sendo utilizada para pavimentar o caminho rumo a um Brasil próspero e justo? Por acaso, estamos aproveitando os bons ventos para definir estratégias que coloquem o conhecimento como o produto central de nossa economia. Será que estamos quebrando a cabeça para definir as políticas públicas mais adequadas para chegarmos a este cenário? Que linhas de financiamento estamos desenhando neste sentido. E a nossa legislação, está sendo atualizada para permitir vôos mais altos?

Sempre que eu começo a achar que, finalmente, estamos no caminho certo, pronto, lá vem um balde de água fria. A ducha, desta vez, veio com a leitura da reportagem
"Nanotecnologia para os outros" publicada na revista EXAME, de 21 de outubro passado.

Embora haja, atualmente, nos países ricos e em alguns emergentes, uma espécie de consenso de que produtos baseados na utilização da nanotecnologia serão, daqui para frente, o filé mignon da economia do conhecimento, parece que esta ficha ainda não caiu para nós.

A matéria (acesso parcial para não assinantes) acima apontada mostra que, até aqui, nada sugere que o Brasil venha se tornar um grande player no mercado mundial de produtos centrados na nanotecnologia. O que mais me impressionou na citada reportagem foi a história da Aquamare, empresa criada em 2005 por três jovens empreendedores paulistas, para produzir água mineral a partir da dessalinização da água do mar.

Em 2006, a Aquamare pediu o registro do produto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Em 2008 o mesmo pedido foi feito, nos Estados Unidos, junto a Food and Drug Administration - FDA, autoridade sanitária norteamericana. Em 15 dias o produto da Aquamare foi liberado para comercialização nos Estados Unidos. Quanto à Anvisa, adivinhem, nenhuma resposta até o momento.

Embora possam produzir 1 milhão de copos de água, por mês, a jovem empresa fabrica somente 50 mil unidades, exportadas para os Estados Unidos.

Sem liberação por parte da Anvisa, sem linhas de crédito oficiais, o diretor geral da Aquamare, Jairo Viviane, acha difícil continuar bancando a fábrica e vislumbra como única alternativa licenciar o produto para produção em outro país, mais sintonizado com os novos tempos.

Até quando, continuaremos a pensar pequeno, quer dizer, nano?


Comentários

Olá, amigo! Adoooro teus textos. Penso muito parecido. Fico indignada com frequência ao assistir aos noticiários. Teus textos são de fácil compreensão e de muita verdade. Quando tiver um tempinho, visite meus blogs:
http://soniasilvinoreflexoes.blogspot.com
http://soniasilvinoamaanimais.blogspot.com
http://sendofeliznaterceiraidade.blogspot.com
Ficarei honrada com a tua visita. E, mais feliz ainda, se deixares um comentário. Sucesso!!! Abraços!!!SS

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…