Pular para o conteúdo principal

Primeiro lugar em inovação

A revista americana Fast Company, especializada em liderança, inovação, design e tecnologia, acaba de publicar o ranking mundial das 50 companhias mais inovadoras, o The World's Most Innovative Companies, edição 2009. É natural esperarmos nesse tipo de lista nomes como Apple, Google, Intel e outras gigantes da high technology, já que é uma área que tem a inovação como meta, mas a surpresa está em quem ficou em primeiro lugar: A equipe Obama.

As categorias destacadas na premiação da equipe referem-se à inovação como novidade, como estratégia de marketing e como utilização de infográficos. Neste último destaque, decorrente dos esforços em design, a revista aponta para um bem resolvido infográfico, bastante simples e até modesto quando comparado ao todo visual da campanha, sintetizando a trajetória da campanha desde a indicação até a posse. 

A equipe de Obama, além de merecedora de vários prêmios em inovação, continua trabalhando. Vejam o recente site criado para mostrar ao cidadão americano como estão sendo gastos os US$ 787 bilhões do plano de recuperação da economia. O site Recovery, possui um gráfico-síntese dos setores que receberam fundos do governo, sob o título " Para onde está indo seu dinheiro", é clara a objetividade e compromisso da equipe. A apresentação é do próprio presidente, com o vídeo a seguir:


O site também oferece uma área de "Conte-nos sua história", característica do jeitão Obama, e ainda, passará a oferecer os dados de todos os gastos de forma aberta, possibilitando o mashup e o uso por aplicações de terceiros, além de novos gráficos para uma melhor visualização das informações.  

Quem quiser comparar, veja o site do PAC criado pelo governo federal.

Lembro também que a Câmara Federal está cheia de cuidados e dificuldades para publicar  na internet os gastos de verbas indenizatórias pelos deputados. Quando sair, penso que teremos que desenvolver uma Pedra de Roseta digital para entender onde estão sendo "aplicadas" essas verbas.

Comentários

Everson disse…
Prezado Álvaro,

Não no mesmo vigor que a estratégia de comunicação do Presidente Obama soube que o Presidente Lula irá ganhar em breve um blog e talvez até uns vídeos no You Tube.

Esperemos para ver como a SECOM/PR explorará as novas mídias.
Alvaro Gregorio disse…
Olá Everson,

Penso que com grande capacidade comunicativa do Presidente, o canal YouTube será bem composto, mas desconfio que não será dada oportunidade à interação, ou seja, é preciso que o pessoal do SECOM respeite o internauta pois, diferente do telespectador passivo, pressupõe sua interatividade.

Vamos torcer para que façam um canal e um blog à altura da Presidência do Brasil.

ag

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado