Pular para o conteúdo principal

Blogueiros de Governo

A convite da Secretaria de Gestão Pública do Estado de São Paulo, tive a oportunidade e o privilégio de conduzir a primeira Oficina de Criatividade no Setor Público, como parte das Oficinas de Estímulo à Inovação em Governo, promovidas pelo GATI e FUNDAP. O foco dessa oficina, com duração de três dias inteiros, é a utilização de ferramentas colaborativas e web 2.0 no trabalho dos órgãos governamentais, habilitando os alunos para empregar essa riqueza de recursos de rede na melhoria de seu ambiente e no atendimento ao cidadão.

Fico satisfeito de que em breve teremos novos blogueiros de governo, que vão juntar-se a tantos bons exemplos que com frequência citamos aqui. O interessante é que as evidências do uso dessas ferramentas sociais que trazemos em nossos posts, tiveram até então a característica de serem, em geral, aplicadas pelo nível estratégico, daí fui buscar exemplos em grau operacional e, sem muito esforço, encontrei e espero que possam inspirar a todos.

Podemos iniciar pelo pessoal de linha de frente (atendimento direto ao cidadão) do Condado de Oakland, em Michigan-EUA, que criou um portal que combina blogs e fóruns, como meio de encorajar a participação e o diálogo entre os cidadãos, onde se discute desde o preço local da gasolina até o das taxas e impostos governamentais.

Por falar em taxas governamentais, o Franchise Tax Board, do Estado da Califórnia-EUA, criou um canal no YouTube para explicar, em linguagem simples (algumas engraçadas) e também em espanhol, o porquê e para onde vão os impostos arrecadados pelo governo. É, sem dúvida, bem melhor do que ler planilhas e pdf's.

Na Alemanha, perto de mil servidores públicos e especialistas do setor privado fazem parte de uma comunidade Xing, para discutir a nova geração de governo eletrônico. Algo muito parecido com o que tem o Governo de São Paulo com sua comunidade nósGov, que foi chamada por um de seus membros de "Orkut do Governo".

Agora a ferramenta de micro-blogging Twitter está entrando em cena no setor público. Cerca de 70 mil britânicos, por exemplo, acompanham o Primeiro Ministro Gordon Brown em suas atividades diárias através desse recurso, que também encontra sua utilização pelo executivo e legislativo dos Estados Unidos, confira a lista aqui.

Os exemplos são inúmeros e serão sempre notícia neste espaço. Se você pretende conhecer ferramentas e complementos de web 2.0, preparei uma lista de links para os alunos da oficina e deixei disponível aqui.

Comentários

Unknown disse…
Olá Alvaro,

Muito bom saber da iniciativa do Gov. de São Paulo. Gostaria de sublinhar o pioneirismo do Ministério da Cultura no tema, que além de promover o uso de blogs na gestão da interatividade entre o ministério e seus usuários, (veja o 'Blog da Reforma da Lei Rouanet' como exemplo), compartilha toda a tecnologia desenvolvida com as instituições interessadas em seguir o mesmo caminho (é o 'Xemelê').

Abraço, e parabéns pelo bom trabalho.
Alvaro Gregorio disse…
Zé Murilo,

Sem dúvida a iniciativa do Ministério da Cultura merece destaque, não só pelo pioneirismo, mas também pela qualidade do projeto Xemelê, que acompanho aos poucos.

Gostaria de saber porque um modelo tão bom não consegue "contagiar" os demais órgãos públicos.

Vc tem alguma percepção sobre isso ?

Grato por seu comentário, meu abraço,

Alvaro Gregorio
Unknown disse…
Alvaro,

Na minha opinião, o motivo pelo qual o modelo ainda não "contagiou" o governo está na estrutura organizacional típica do século passado, que separa a comunicação da tecnologia nas instituições. Caso esteja interessado, discorro mais sobre o tema no post "trajetória de um webmaster governamental".

Mas a maré está mudando, pois parece que finalmente estamos entrando no século 21. Hoje somos muito procurados por projetos de governo em busca de soluções para suas demandas web, e que não conseguem respostas compatíveis das áreas meio em seus órgãos de origem. Ou seja, quem está responsável por implementar sabe que o modelo Xemelê é o caminho, mas a estrutura engessada ainda não consegue assimilar a novidade.

É a velha história de manobrar o Titanic... :) Mas é importante ressaltar que o governo não é uma massa uniforme. Existem coisas muito boas e, infelizmente, coisas ruins acontecendo. Prefiro plugar no positivo e tratar de não perder o pique.

Seguimos fazendo nossa parte.
Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…