Pular para o conteúdo principal

Tendências da web 2.0 nas empresas



A consultoria americana Awareness, sediada em Massachusetts, especializada em ferramentas web 2.0 - blogs, wikis, rss, tags, comunidades, podcasts, videocasts, mapping, mashups... e por aí em frente - publicou um estudo sobre tendências e boas práticas, sob o título "Trends and Best Practices in Adopting Web 2.0 in 2008".

É de fato um white paper, com a objetividade que o nosso tempo exige, sem contudo cometer leviandades de observação. Trata-se da segunda edição de uma pesquisa que tenta apurar o uso estratégico e operacional dessas ferramentas w2, com avaliação dos bons e maus resultados, algo que também chega a sugerir melhores decisões na escolha. Como por exemplo, a utilização de wikis que, segundo o relatório, tem maior sucesso quando utilizados em ambiente interno, na produção de conhecimento corporativo.

Faço destaque a três aspectos interessantes do estudo:
- na divisão entre mídias externas (external-facing) e internas (internal-facing), 70% das empresas pretendem empregar ou manter blogs para comunicação externa e 55% querem implantar redes sociais no ambiente interno;
- o crescimento do percentual de empresas que, neste ano, passaram a permitir que seus empregados usem as mídias sociais durante o expediente, de 37% em 2007 para 69% em 2008; e
- o uso de vídeo (Youtube, Vimeo e assemelhados) tem sido encarado, por 48% dos entrevistados, como a aplicação número um em boas práticas empresariais.

Esses números vão crescer, é claro, talvez a ponto de contagiar a administração pública. Continuo, até que me provem o contrário, pensando em governo 2.0 como parte da solução.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…