Pular para o conteúdo principal

A Roda está Viva



Em junho passado anunciávamos aqui algumas iniciativas da TV Cultura, especialmente no Roda Viva, com a digitalização das memoráveis entrevistas realizadas nesse programa nos últimos vinte e dois anos, comemorando com sua disponiblização pela web.

Nesta segunda-feira, 22, o Roda Viva levou ao ar a primeira Transmissão Experimental Participativa, que julgo ser pioneira no país a usar ferramentas web 2.0 e tv ao vivo integradas e com interação. Em uma mesma página o usuário podia assistir ao programa, assistir aos bastidores durante o intervalo, ver fotos e, principalmente, interagir com o moderador e com outros usuários no programa ao vivo.
Vale a pena ler os comentários que surgiram durante as transmissões, o programa cresceu em tempo virtual (algo como realidade aumentada) e conteúdo com essa participação, o telespectador agora é interator, a sensação que dá é de que o sofá ficou maior.

Para fazer isso, o pessoal de novas tecnologias da TV Cultura usou da web três ferramentas gratuitas: o Coveritlive, liveblogging usado para a cobertura em tempo real; o Mogulus para a transmissão de imagens ao vivo (no caso usado para a camera "fora do ar"); e o Twitter, para os comentários dos teleinteratores. Como arremate, o programa também utilizou o Flickr para as fotos.

Para quem está achando que isso é muito "tosco", cheio de "gambiarras" e integrações de pé quebrado, peço que repense. O que a TV Cultura está fazendo - e o que nenhuma outra emissora comercial fez - é experimentar a convergência hipermidiática, é prospectar a linguagem interativa que a TV Digital irá nos oferecer, sem medos de perder audiência, mas com o compromisso de elevar o conhecimento de seu público. Só a TV pública consegue fazer isso ?

Espero que na próxima segunda-feira repitam a dose.

Ah! sim, o título deste post eu retirei de um dos comentários feito por alguém, naquele sofazão digital, durante o programa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos. 
A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas.
O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pessoas, gente que possa, …

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …