Pular para o conteúdo principal

A Roda está Viva



Em junho passado anunciávamos aqui algumas iniciativas da TV Cultura, especialmente no Roda Viva, com a digitalização das memoráveis entrevistas realizadas nesse programa nos últimos vinte e dois anos, comemorando com sua disponiblização pela web.

Nesta segunda-feira, 22, o Roda Viva levou ao ar a primeira Transmissão Experimental Participativa, que julgo ser pioneira no país a usar ferramentas web 2.0 e tv ao vivo integradas e com interação. Em uma mesma página o usuário podia assistir ao programa, assistir aos bastidores durante o intervalo, ver fotos e, principalmente, interagir com o moderador e com outros usuários no programa ao vivo.
Vale a pena ler os comentários que surgiram durante as transmissões, o programa cresceu em tempo virtual (algo como realidade aumentada) e conteúdo com essa participação, o telespectador agora é interator, a sensação que dá é de que o sofá ficou maior.

Para fazer isso, o pessoal de novas tecnologias da TV Cultura usou da web três ferramentas gratuitas: o Coveritlive, liveblogging usado para a cobertura em tempo real; o Mogulus para a transmissão de imagens ao vivo (no caso usado para a camera "fora do ar"); e o Twitter, para os comentários dos teleinteratores. Como arremate, o programa também utilizou o Flickr para as fotos.

Para quem está achando que isso é muito "tosco", cheio de "gambiarras" e integrações de pé quebrado, peço que repense. O que a TV Cultura está fazendo - e o que nenhuma outra emissora comercial fez - é experimentar a convergência hipermidiática, é prospectar a linguagem interativa que a TV Digital irá nos oferecer, sem medos de perder audiência, mas com o compromisso de elevar o conhecimento de seu público. Só a TV pública consegue fazer isso ?

Espero que na próxima segunda-feira repitam a dose.

Ah! sim, o título deste post eu retirei de um dos comentários feito por alguém, naquele sofazão digital, durante o programa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a