Pular para o conteúdo principal

Apagão do Conhecimento

Ontem, tivemos em São Paulo o primeiro apagão digital de grandes proporções, do país.

Apesar da paralisia que este evento causou na maior parte dos serviços públicos, e em um sem número de negócios privados, que foram adiados ou até perdidos, considero o evento de 03 de julho de 2008, desculpem-me, muito bom.

Vamos aos porquês.

1. Uma ocorrência deste tipo, há dez anos, provocaria, na melhor das hipóteses, uma pequena nota nos grandes jornais diários de São Paulo. Ontem, o apagão digital foi primeiro destaque no Jornal Nacional; hoje, ocupa a manchete dos dois principais jornais de São Paulo.

Por que esse alarido, se o que circula pelas redes, que ontem ficaram paralisadas, não são automóveis particulares, caminhões de carga, alimentos perecíveis, professores em passeata, etc.

O motivo do inédito burburinho, foi que os bens, sem dimensão física, que correm por essas redes, tais como, transações financeiras, pesquisas de mercado, pacotes turísticos, “help desks” remotos, palestras, vídeos, músicas, compõem um bem maior, denominado conhecimento, o principal ativo dos nossos dias.

Se São Paulo parou, é sinal de que o conhecimento está incrementando sua participação nos PIBs, da cidade, do estado e do país. Parar foi ruim, muito ruim, mas descobrir que a circulação de conhecimento em São Paulo está ganhando volume foi bom, muito bom.

2. O evento de ontem colocou a questão das redes digitais na agenda política nacional. Aquela triste tradição de que político não investe em rede de esgoto por que elas ficam enterradas e não dão votos, que parece estar sendo, felizmente, superada, não pode se repetir com as redes digitais.

O atraso na construção de redes de esgoto nos trouxe como legado, rios mortos e taxas de mortalidade vergonhosas. O atraso no adensamento das redes digitais, por sua vez, dificultará nosso ingresso soberano na sociedade do conhecimento. Cidades líderes precisam de talentos, talentos demandam educação de alto nível, transportes modernos, qualidade de vida e ambientes tecnológicos compatíveis. As redes digitais colaboram para que tudo isso ocorra.

Na era do conhecimento, um dos principais indicadores de efetividade das cidades é a sua capacidade de transmissão de dados, medida em bits por segundo. Segundo dados da Tele-Geography, publicados na edição 907 da revista Exame, Londres é a cidade líder nesse índice, com 2,35 trilhões de bits por segundo (Tbps). Na seqüência surgem Paris (1,7 Tbps), Frankfurt(1,3 Tbps) e Nova York (1,2 Tbps). São Paulo está na vigésima colocação com humildes 0,17 Tbps.

Uma boa política pública pode nos levar mais para cima. Tapar os olhos para o problema pode transformar São Paulo em uma cidade sem talentos e, portanto, empobrecida. Sou otimista, acho que a ficha vai cair.

3. A importância do evento de ontem mostrou,também, que se conhecimento é fator estratégico, ele deve ter meios alternativos de circulação. Governos e iniciativa privada devem ficar atentos à necessidade de termos planos b muito bem azeitados para estas situações. Não é possível que um único fornecedor, seja ele qual for, responda por parcela tão substantiva no tráfego de dados de uma cidade, região ou país. A concorrência, nessa área, é indispensável para que a gente chegue mais perto do pelotão de cima das cidades e nações. Agências reguladoras, associações empresariais, e demais organismos com algum grau de interferência sobre esta questão, devem estudá-la com carinho e partir, de imediato, para ações que nos permitam, no futuro, agradecer que o apagão tenha ocorrido enquanto poderia acontecer.

Comentários

Alvaro Gregorio disse…
Pepe,

O melhor que li.
O apagão digital deixou claro que governos, empresas e pessoas dependem da rede, da conexão com serviços públicos e privados, como "nunca antes neste país".

Mas também deixou evidente a ausência de estratégia, a falta que faz uma política pública de conexão e conteúdo.

Alguns confudem isso com leis de padronização, outros acharão que é evento isolado e desmerecedor de atenção, mas poucos sabem que essa é a política pública que falta ao século XXI.

Voto nesses últimos.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a