Pular para o conteúdo principal

Quais as tecnologias que vão impactar a Educação ?



Imagine um grupo de 49 especialistas em inovação e educação reunido, pensadores da estatura de Phillip Long, do Educational Innovation and Technology Office do MIT, ou do nosso Jean Paul Jacob, inovador emérito da IBM e professor da UC Berkeley. Gente assim respondendo a pergunta-título deste post.

Esses notórios da inovação fazem parte no New Media Consortium, uma comunidade que reúne centenas de líderes dos centros de pesquisa das universidades, empresas e governos, para estimular a prospecção e uso de novas mídias e tecnologias de aprendizagem e criatividade.
Recentemente o NMC publicou o 2008 Horizon Report como resultado da prospecção em novas tecnologias para educação, num processo assim explicado por Jean Paul Jacob à revista OffLine:

“Começamos com a pergunta: ‘quais as tecnologias que vão impactar a educação dentro de um ano, dentro de dois a três anos e dentro de quatro a cinco anos?’. Todos os estudiosos responderam. Isto gerou aproximadamente 100 apostas. Houve espaço para discussão. Os autores debateram. Agruparam idéias parecidas. Consolidou-se uma lista com 60 itens. Cada um teve dez votos para distribuir. Podia escolher vários itens ou apostar todas as suas fichas em um único, se o considerasse o mais importante. Após a votação, oito tecnologias vencedoras. Reunimo-nos em grupos com a incumbência de eliminar a menos importante. Ficaram as cinco tecnologias mais relevantes.”

Aconselho o download e leitura do relatório, mas aqui vão topicamente as cinco tecnologias apontadas: popularização da linguagem de vídeo, web colaborativa, banda larga móvel, data mashups, inteligência coletiva e sistemas operacionais sociais.


>>Post Post: o Pepe, recém-retornado da Europa, nos informa o espetacular wiki do Horizon Project http://horizon.nmc.org/wiki/Main_Page . Bem-vindo e tks JAC.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid