Pular para o conteúdo principal

Mudança cultural planejada


Há muito tempo que sabemos das dificuldades que são esperadas ao se promover a inovação em qualquer setor, lugar ou época. Surge primeiro a questão de recursos, depois a carência de tempo, adiante a falta de patrocínio político, de participação, de planejamento... enfim tudo isso, quer nesta ordem ou em outra, passam pelo checklist de obstáculos a ultrapassar em projetos inovadores.

Um fator que, apesar de também sabido e esperado, é colocado quase como uma desculpa caso o projeto esteja vertendo água é o cultural. Diz-se que o público-alvo não estava preparado, que estamos além de nosso tempo, que os paradigmas atuais estão cristalizados, que deve demorar anos para que seja absorvido e coisas assim.

Mas então, como é que se faz ? Como inovar sem provocar a mudança cultural ? Fomos preparados para absorver tão rapidamente a tecnologia ou a informação que recebemos nos últimos dez anos (ou nos últimos seis meses) ?

Pergunto isso porque acabei de assistir duas peças publicitárias de governo eletrônico que, ao meu ver, buscam preparar o ambiente de mudança cultural em face das novas tecnologias de relacionamento e transação governo cidadão.

A primeira delas vem da Bélgica, divulgando seu portal e as facilidades que o governo eletrônico proporciona aos moradores daquele país, assista:

A segunda peça vem da Coréia, que usa o carismático personagem animado Pororo, um tipo de Turma da Mônica lá deles, para falar da facilidade e comodidade dos serviços públicos eletrônicos, aí vai:


Já está na hora da gente, aqui no Brasil, fazer algo assim, não é mesmo ? A mudança cultural depende principalmente da comunicação e informação como meio de alavancar reformas e inovar padrões.

Comentários

Anônimo disse…
Olá Alvaro,

O blog está excelente, parabéns pelo trabalho.

Concordo que a mudança deve ser cultural e que não devemos subestimar nosso público-alvo. Acredito também que essa mudança precisa começar dentro do próprio governo.

PS: Curioso o portal da Coréia. Usa uma linguagem gráfica totalmente inusitada para nossos padrões, fazendo referências a mangás e videogames.
Alvaro Gregorio disse…
Obrigado Adriano.
Também notei essa abordagem coreana, acho que dá um case em design de governo ;)
Continuamos na busca! abs!
Anônimo disse…
Adorei o texto. Como nosso legado histórico-adm da adm. pública no Brasil fica difícil extirpar a imagem de servidor público ''bon vivant'', mas gostei dos exemplos da comunicação dos governos de outros países divulgar as facilidades do serviço público. Acho que isso mostra que aos poucos o advento de tecnologias no setor público tende a mudar a arcaica cultura da adm. pública brasileira. bye!!

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…