Pular para o conteúdo principal

Mashups e Cidadania

defendi várias vezes a criação de mashups associando mapas do Google (ou do Yahoo) com as aplicações e bases de dados de governo, comentando as bem sucedidas práticas de New York, Chicago e até mesmo da Prefeitura de São Paulo, todas seguindo a tendência de web 2.0 em compartilhamento de sistemas e conteúdos.

Agora a Procuradoria da República em Pernambuco, com a especialíssima mão-de-obra do C.E.S.A.R. - Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, lançam o Citix, um projeto que reúne o mapeamento online (by Google/Maplink) com o conteúdo gerado pelos cidadãos.

E é aqui que está a grande inovação, acompanhando a natureza autoral colaborativa da web 2.0 em que o usuário colabora com o conteúdo, o site incorpora denúncias, descobertas e opiniões da população em relação ao espaço público em que convive, sem a intervenção das "informações oficiais" que, sabemos, é por vezes maquiada.

Por meio do site, o cidadão recifense inclui no mapa da cidade as informações sobre segurança e prevenção de crimes, locais de prestação de serviços públicos, de entretenimento e problemas com infra-estrutura, como orelhão quebrado, buracos na rua, lixo acumulado e coisas assim.
Tudo de autoria do cidadão.

Na categoria sites, já tenho um candidato ao mais inovador serviço público em 2008. Conheça o projeto clicando aqui.

Em tempo: já havia fechado este post quando o Angelo Ricchetti me passou a notícia do Ciência Hoje sobre o Wikicrimes, algo semelhante ao projeto de Recife, desta vez feito para Fortaleza. Valeu Ricchetti.

Comentários

Anônimo disse…
Caros integrantes do IGovBrasil,

Abaixo, informação adicional sobre a iniciativa conjunta do Ministério Público Federal - Procuradoria da Republica em Pernambuco - e C.E.S.A.R., na área de prevenção de crimes e cidades seguras/saudáveis.

O projeto foi desenvolvido na base do voluntariado da equipe do CESAR e está em fase beta.

A idéia é criar uma ferramenta descentralizada, com a participação das mais diversas instituições, públicas ou privadas, comunidades, redes e grupos, de acesso irrestrito a qualquer cidadão.

Estamos preparando o terreno para expandi-la para todo o país.

Marcos Antônio da Silva Costa
Procurador da República

==================================
Citix: rede social para o espaço urbano

1º Ofício da Tutela Coletiva
Texto: MPF/CESAR

C.E.S.A.R e Ministério Público Federal juntam forças para construir uma cidade equilibrada, nos mundos real e virtual

Utilidade pública, prevenção do crime, cultura, serviços. Citix é o espaço público pela ótica dos habitantes. Em www.citix.net todos podem entender o que está acontecendo em sua cidade e ao mesmo tempo contribuir acrescentando mais informações. Tudo isso de forma simples e direta: basta marcar um ponto no mapa, contar sua história e ajudar a construir um cenário real sobre a cidade em que vive. O sistema foi criado pelo C.E.S.A.R - Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, contando com apoio decisivo do Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco.

Citix é inovação totalmente baseada em conceitos Web 2.0. Um mashup (aplicações web que usam conteúdo de mais de uma fonte para criar um novo serviço completo) entre ferramentas de georeferenciamento e redes sociais, oferecendo arquitetura de participação para a coletividade na geração do conteúdo, na própria execução do projeto e para o ambiente de negócios. O objetivo é trocar informações por meio de uma grande teia envolvendo eventos simultâneos de uma cidade, que vão desde acontecimentos culturais até o registro de ocorrências policiais, incorporando-se ao movimento internacional de prevenção de crimes (crime prevention).

Segundo o gerente de negócios do C.E.S.A.R, André Araújo, a parceria com o MPF, a partir de junho de 2007, foi o grande incentivo para desenvolver o software a serviço da comunidade, algo relevante para a sociedade. "O Ministério Público Federal nos trouxe o desafio, deu suporte, referências e idéias e, através do Garage, projeto de intra-empreendedorismo do C.E.S.A.R, esperamos dar uma contribuição efetiva à sociedade com o que sabemos fazer melhor: inovação", afirma.

Para o procurador da República Marcos Antônio da Silva Costa, uma cidade equilibrada e harmônica, com taxas de criminalidade sob controle, é tarefa que requer a convergência, ao longo de uma geração, de esforços cooperativos de todos os segmentos da sociedade. "O Citix, fruto de uma feliz convergência do C.E.S.A.R e do MPF, objetiva contribuir para o esforço de prevenção de crimes no Brasil. Descentralizado e marcado pela cooperação interinstitucional, o Citix casa os conceitos de tecnologia, rede sociais, prevenção de crimes e 'cidades seguras/saudáveis', com uma especial ênfase na socialização da informação, seguindo as recomendações das Nações Unidas e do movimento internacional de prevenção de crimes em vários países", explica.

Costa ainda acrescenta que nessa iniciativa colaborativa cria-se o ambiente para que a informação sobre os fatores positivos e negativos da cidade possa gerar crítica, reflexão e ação dos mais diversos atores, públicos ou privados.

www.citix.net
www.cesar.org.br
www.prpe.mpf.gov.br
Alvaro Gregorio disse…
Caro Marcos Antonio,

Obrigado pela gentileza em complemento as nossas informações. Voltaremos a falar sobre essa iniciativa e peço que, havendo a possibilidade de expansão do projeto para o Estado de São Paulo, comunique-se comigo pelo e-mail alvaro@igovbrasil.com .
Abraços,
Alvaro Gregorio
Anônimo disse…
Caro Álvaro Gregório,

Como mencionado, a idéia do projeto Citix é expandi-lo para todo o país e, quiça, para outros países.

É uma iniciativa por natureza descentralizada, onde cada participante, instituição ou pessoa, administra suas informações, segundo seus interesses específicos, sem um filtro central, de tal forma que a "cidade" seja revelada em toda a sua complexidade. Informação gerando crítica, reflexão e ação.

Há uma preocupação igualmente de gerar uma iniciativa que possa agregar e ser agregada por outras iniciativas em redes sociais.

A fase beta está concentrada no Recife. Registre-se que a primeira fase do projeto foi marcada pelo desenvolvimento na base do voluntariado da equipe do C.E.S.A.R., capitaneada por Silvio Meira, com a mobilizou de toda a competência essencial daquele centro para oferecer à "cidade/comunidade" uma contribuição tecnológica na área de prevenção de crimes e de "cidades seguras/saudáveis". Estamos trabalhando para que, na segunda fase, neste início de ano, a equipe possa receber apoios materiais para se dedicar integralmente ao projeto. Há desafios tecnológicos muitos interessantes no caminho.

O MPF e C.E.S.A.R. terão reunião nos próximos dias, para balizar essa segunda fase e a forma como outras instituições, públicas e privadas, poderão participar da iniciativa.

O IGovBrasil, desde logo, está convidado a fazer parte dessa experiência.

Sugiro, por fim, que o IGovBrasil inaugure uma área temática para as iniciativas de IGOV em "prevenção de crimes" (crime prevention).

Sds,

Marcos Antônio da Silva Costa
Procurador da República

PS: enviarei esta postagem por e-mail.
Alvaro Gregorio disse…
Caro Marcos Antônio,

Honrados com o convite, aguardaremos seu e-mail para também abordar mais proximamente nossos passos.
Sugestão aceita para mais um marcador em nosso blog: "Prevenção de Crimes".
Obrigado,

Alvaro Gregorio

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…