Pular para o conteúdo principal
Choque de Conhecimento II



A batalha pela atração do conhecimento, abordada na matéria postada em 30 de março, não está, de modo algum, circunscrita à Irlanda, ou à sua capital, Dublin.

Como o conhecimento passou a ser o “rei” dos recursos, a maior fonte de riqueza dos tempos atuais, muitos governos, em distintas esferas, têm inserido a questão do conhecimento em seu planejamento estratégico.

A tradicional divisão dos países entre industrializados e agrícolas, que pautou a discussão econômica no século passado, onde as primeiros eram os primos ricos e os segundos, os primos pobres, foi perdendo apelo nos complexos e incertos tempos atuais. Se pudéssemos esboçar, para fins meramente didáticos, uma nova divisão internacional do trabalho, colocaríamos de um lado os países produtores de conhecimento e do outro, os importadores de conhecimento.

Ter indústria, “lato senso”, não é mais sinônimo de opulência. Ao contrário, os chamados países líderes estão, hoje, propensos, a, exportar, ou se livrar, para sermos mais claros, de certos tipos de indústria centradas em processos mais rudimentares, de pouco valor agregado ou ecologicamente perversos. Em troca, lutam para ganhar espaço na produção de serviços sofisticados, limpos do ponto de vista ambiental, pleno de inovações e com forte capacidade de atrair talentos.

Dentre os diversos sítios que têm tratado dessa questão na Internet, recomendamos um passeio pelo “Knowledge Cities”. Neste espaço, patrocinado pelo World Capital Institute, são apresentadas iniciativas de atração do conhecimento em quase uma centena de cidades, espalhadas pelo mundo. O acesso é gratuito, mediante uma cadastramento bem rápido.

Vale a pena se cadastrar e perceber como a união entre vontade política e criatividade tem sido usada para reinventar cidades. Em tempo, há única cidade brasileira citada, São Paulo, incluída no prestigioso “ranking” pelo pioneiro e arrojado projeto “Cidade do Conhecimento”, liderado pelo economista, sociólogo e jornalista Gilson Schwartz, professor da Universidade de São Paulo. Com certeza, poderíamos ter muitas outras experiências relatadas, pois somos muito fortes nesta tal “criatividade”. Em compensação, no quesito vontade política…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos. 
A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas.
O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pessoas, gente que possa, …

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …