Pular para o conteúdo principal

Revinventando o governo? ou Pra que inovar?


Muitas vezes tive que explicar pra outros e pra mim mesma porque o governo, principalmente no Brasil, precisa mudar suas práticas. Geralmente digo que há uma dupla pressão pra mudança: aumento na demanda por serviços e, simultaneamente, severos limites ao orçamento. No caso brasileiro, a abertura democrática nos anos 80 e as mudanças na constituição de 88 fizeram com que mais serviços fossem exigidos do governo e um nível de qualidade mais alto fosse esperado. Ao mesmo tempo, a Lei de Responsabilidade Fiscal e o controle inflacionário trouxeram austeridade para os gastos públicos. Neste cenário, a inovação seria uma questão de sobrevivência das instituições governamentais.

Ultimamente, porém, tenho pensado que a necessidade de reinventar o governo vai muito além, e inclui em última instância pensar que tipo de sociedade desejamos. Adam Curtis faz uma excelente (ainda que polêmica) síntese dos dilemas que temos enfrentado no mundo ocidental. Seu último documentário, “The Trap” (“A Armadilha”), passa pela Guerra Fria, pelos índios Ianomâmis, por John Nash e pela Nova Gestão Pública. Claro que não dá pra resumir a série, apresentada em três domingos seguidos pela BBC, em poucas palavras. Mas o que ficou como mensagem pra mim é o fracasso do “Estado Mínimo”, também conhecido como “Neoliberalismo”, etiquetas para a crença no Mercado e sua “Mão Invisível” como a solução para todos os males da humanidade.

Nesta linha, vale citar também o ponto de vista do excelente Alfons Cornella, idealizador do projeto Infonomia. No artigo “Economia Suicida”, Cornella e Rucabado descrevem a tensão entre o individualismo extremo, tão característico das sociedades consumistas e imediatistas, e a realidade de que a raça humana precisa conviver em rede, de maneira ecossistêmica. A economia mais poderosa do mundo genuinamente acredita que qualidade de vida é igual a consumo, e portanto exporta para o resto de nós não somente seus produtos, mas a sua visão distorcida e insustentável de desenvolvimento.

Já sabemos que o Estado Totalitário e onipresente não é a resposta. O modelo de administração burocrática, altamente hierarquizada e padronizada, que normalmente se associa a este tipo de governo, seguramente não é o ideal, e talvez sequer seja possível. O outro extremo, em que o Estado sai de cena e deixa a livre competição dar conta do recado, também se demonstra inviável. Na mesma linha, importar de idéias do mercado como solução para as organizações governamentais (por exemplo compreender o cidadão como cliente, implantar remuneração por resultados para servidores públicos, adotar a busca de eficiência como critério prioritário) em geral vai de encontro aos valores básicos do setor público. Mas então, que direção tomar? Sim, precisamos inovar nossas práticas governamentais, precisamos reinventar o governo, rever o papel do Estado. Mas, será que sabemos pra onde queremos ir?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a