Pular para o conteúdo principal

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas.

Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios.

O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerados, apoiados no GPS. Outro exemplo é a internet e... bem, sabemos o que acontece a partir dessa megaplataforma. Essa característica de governo que investe gerando inovação é bem defendida no trabalho de Mariana Mazzucato, em O Estado Empreendedor.

 fonte:The Once and Future Library - http://arts.mit.edu/the-once-and-future-library/

Mas voltando a  O'Reilly, ele queria mesmo era chegar nessa plataforma imensa existente nos governos, que demanda esforços hercúleos de milhões de funcionários públicos e que ainda mantem-se longe do uso cidadão: os dados governamentais.

A visão de O'Reilly, apoia a transparência e a geração de serviços com base em informações desenvolvidas em ambiente de governo, ou em suas palavras " A magia dos dados abertos é que, a mesma abertura que permite a transparência também permite inovação, a medida em que desenvolvedores constroem aplicações que reutilizam os dados do governo de maneiras inesperadas.(2011)". 

Pelo lado da transparência, vimos rápido avanço no Brasil nos últimos anos, a partir da publicação da Lei de Acesso à Informação, em maio de 2012, cujo foco está em garantir a qualquer cidadão o acesso às informações sob a responsabilidade do governo. Isso fortaleceu os projetos de Dados Abertos Governamentais, especialmente ao entender que a transparência ativa é também a mais produtiva.

Por outro lado, aquele "em que desenvolvedores constroem aplicações que reutilizam os dados do governo " a plataforma ainda não está completa e o que está entregue, em geral, serve pouco e não encontra interessados. Apesar disso, temos alguns trabalhos exemplares no Brasil, como o do AppCivico e do DataPedia, mas ainda encontram dificuldades para obtenção de dados e modelos de negócios.

É função do governo amadurecer esse lado dos Dados Abertos, como plataforma empreendedora, incentivadora de startups e redefinidora de modelos de negócios sociais, que não caminhou na mesma velocidade que a vertente da transparência. É o caminho para termos novos serviços públicos, não necessariamente entregues por órgãos públicos.

Talvez o mais emergente quando falamos em governo como plataforma, seja reconhecer que outras plataformas do governo, físicas e documentais não digitais, precisam com urgência passar por um processo de re-significação e entrega à sociedade. Já é clássico o exemplo das bibliotecas públicas que carecem de novo significado para serem reintegradas à população, mas isso não pode ser feito por burocratas, mas em co-criação com os usuários dessas plataformas.


Aqui você tem os princípios Um e Dois.


Comentários

Unknown disse…

Hey! This is my 1st comment here so I just wanted to give a quick shout out and say I really enjoy reading through your blog posts. Can you recommend any other blogs/websites/forums that go over the same topics? Thank you so much! yahoo sign in

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a