Pular para o conteúdo principal

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente


Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.

Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.

No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário, a desatenção pune a organização com a perda de mercado ou com o desaparecimento e, o gerente, com o progressivo estreitamento das alternativas de recolocação.

No plano cultural, a coisa é ainda mais complexa. O dia a dia dos gestores do século XXI será muito distinto do vivido pelo “gerentão” da era industrial que, mais do que enxergar o negócio como um todo, tinha como missão central tocar rotinas que lhes eram transmitidas top-down. Isso mudou. Hoje nenhuma organização pode se dar ao luxo de abrir mão do potencial inovador de seus empregados - independente de hierarquia ou setor de atividade - e consumidores (ou cidadãos, no caso de organizações públicas). O gerente do século XXI deverá, pois, ter habilidades e atitudes que estimulem os funcionários a pensar e criar e não simplesmente a "cumprir tabela" ou "bater o ponto", esperando por ordens e, principalmente, pela sexta-feira.

Felizmente, de uns tempos para cá uma boa parte dos MBAs e demais programas de requalificação profissional, percebendo a crescente demanda por novas habilidades, vem readequando os conteúdos de sua grade curricular, ampliando a carga horária destinada aos métodos e técnicas gerenciais que estimulem a colaboração, a criatividade e o empreendedorismo, além de abrir mais espaço para atividades práticas que cubram desde a ideação até a montagem de protótipos de produtos ou processos.

Para concluir esta postagem, fica aqui uma boa dica de quais seriam as habilidades e atitudes esperadas nos gestores, em tempos de incerteza e mudanças aceleradas. A Harvard Business Review, em ótimo artigo assinado por David Garvin, mostra o que a Google tem feito para sensibilizar seus engenheiros para a importância dos temas vinculados à gestão. Desse trabalho, destaco, abaixo, os oito principais atributos dos gestores mais eficazes da empresa, obtidos a partir do cruzamento do resultado de pesquisas feitas junto aos colaboradores com indicadores de performance. Julgo seja uma boa pista.


Os Oito Principais Atributos Do Novo Gerente

1. Ser um bom “coach”.
2. Empoderar a equipe, abrindo mão do microgerenciamento de atividades.
3. Revelar interesse e preocupação com o sucesso e o bem-estar pessoal dos membros da equipe.
4. Ser produtivo e orientado para os resultados.
5. Ser um bom comunicador, sabendo escutar e dividir informações.
6. Ajudar no desenvolvimento das carreiras.
7. Ter visão clara dos problemas e formular estratégias para a equipe.
8. Ter habilidades técnicas fundamentais que o ajudem no aconselhamento da equipe.

Comentários

Anônimo disse…
É melhor colocar onde achou esse atributos de um novo gerente pois nos dois sabemos que nao foi vc q criou kkkkkk
professor pepe disse…
Caro(a) leitor(a),

Obrigado pelo comentário.

Como mencionei em meu texto, esses atributos constam do artigo de David Garvin, publicado na Harvard Business Review, que pode ser acessado clicando a palavra artigo no último parágrafo da postagem.

Vale a pena conferir.

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid