Pular para o conteúdo principal

Design Thinking: a empatia em serviços públicos

A implementação de Design Thinking, como abordagem para melhoria e inovação de serviços públicos, é no que venho me dedicando há algum tempo. No caminho, encontrei alguns autores, com princípios e etapas convergentes, comentados aqui, além de experimentos que fizemos no Metrô-SP, no PoupaTempo, na SABESP e na Biblioteca São Paulo, que comentarei ao longo dos próximos posts, que ratificam a eficácia das técnicas do Design Thinking para solução de problemas na administração pública.

O que antecede a adoção do DT como metodologia em projetos é a necessidade de mudança do pensamento analítico, bastante incentivado em escolas de negócios e pelo qual a indução e a dedução influenciam as decisões, sendo essas lógicas baseadas no conhecido e no passado, para um pensamento integrativo, que faz uso da lógica abdutiva, focada no que pode ser, no lugar do que deve ser ou é.

Em curtas palavras, o modelo mental ou mindset deve ser alterado para as possibilidades, para a (re)significação, para a criação e inovação. Motivo principal: a complexidade e a velocidade dos problemas e oportunidades não é suportada pelo pensamento analítico como era no Século XX e anteriores.

De fato, essa mudança não é um pré-requisito para adotarmos o DT, mas sua compreensão e atitude devem ser a plataforma que sustentará todas as etapas.

Em DT é comum apresentarem três principais momentos de desenvolvimento: Definição, Ideação e Prototipação. Entenda-se que esses momentos representam uma divisão de etapas e tarefas, mas não necessariamente um sequenciamento.

Por isso que etapa de Definição é às vezes precedida pela Empatização outras vezes sua antecessora, vai depender da situação problema que iremos encarar. Por vezes, a dificuldade de levantamento prévio impossibilita a técnica de empatização. De todo modo, aqui comentarei ambas em conjunto, mais tarde, ao abordar a etapa de investigação, retorno a empatia.

Empatia é a capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros para entender melhor seus sentimentos, suas reações, o que ouve, o que sente... enfim, estar na pele do outro. Talvez eu pense ser dispensável ao projeto ficar em uma fila de atendimento a público ou entrar num vagão de trem no horário de pico, mas é fazendo esse percurso que vou compreender melhor e mais apuradamente a jornada do usuário.

Isto, se colocado anteriormente às definições, ajudará a descrever seus fatores, se colocado após as definições, fará parte da investigação e servirá para confirmar e corrigir a anterior. Mas, como diz o Prof. Sam Richards, "tudo começa com a empatia":


Assim, recomendo que a empatização ocorra nesses dois momentos, antes da definição, com vistas a identificar, e após a definição, para corrigir a versão anterior e preparar para a etapa posterior, colhendo elementos adicionais. Mas é etapa obrigatória o governo colocar-se no lugar do cidadão.

Tenha certeza de ter registrado toda a sua experiência como cidadão, sem preconceitos, sem auto-defesas, ou melhor, com a mesma fragilidade que passa o cidadão ao enfrentar serviços públicos. Percorra o caminho e simule reações, frustrações e outras emoções decorrentes de atendimento, tratamento, contato com formulários e obrigações, ambiente, conforto e linguagem utilizada pelo agentes de governo. Não é hora ainda de criticar, só registrar, o que pode ser feito em áudio, vídeo, fotos e num pequeno caderno de anotações.

Mas então, tendo percorrido o mesmo caminho do usuário-cidadão, em mesmos horários, ambientes, com o mesmo anonimato, o que eu devo definir ?

Vamos deixar para o próximo post, por enquanto talvez seja importante refletir sobre a mudança no mindset e a empatização.

POST POST: Quando acabei de publicar, dei de cara com este vídeo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…