Pular para o conteúdo principal

Inovação em Ação

Na minha postagem anterior, prometi que da próxima vez abriria meu caderninho virtual na seção dos exemplos animadores em gestão. É a parte menor do caderninho, é verdade, mas está crescendo rápido.

Para honrar a promessa, vamos falar hoje da W.L. Gore & Associates.

Mesmo que você nunca tenha ouvido falar desse nome, com certeza já usou um produto elaborado com alguns dos insumos revolucionários colocados no mercado por essa empresa norte-americana, fundada em 1958. Tecidos impermeáveis, cordas para guitarra, componentes para cabos de fibra ótica, válvulas cirúrgicas formam um tímido exemplo desse elenco. Clique aqui para se surprender mais.

Mas nós estamos falando da Gore não somente por causa de seus produtos, e sim pela maneira como ela os faz.

Quando ela foi aberta, seu fundador, Bill Gore, egresso da DuPont, tinha um sonho: criar uma empresa que tivesse a inovação como carro chefe (estamos em 1958, lembrem-se) na qual as pessoas tivessem prazer em trabalhar (se isso é raro ainda hoje, imaginem naquela época).

Aos poucos, o modelo de negócios da empresa foi sendo calibrado por esta visão. Em entrevista concedida a Gary Hamel, publicada na HSM de março/abril de 2001, aqui disponível para download (neste momento, apenas para assinantes) o atual presidente da Gore, Terri Kelly, detalha essa trajetória. Neste espaço, vou comentar apenas os três aspectos do modelo de gestão da Gore que mais me chamaram a atenção:

1. A empresa não se estrutura hierarquicamente. Seus colaboradores atuam em rede e podem se dirigir diretamente a qualquer pessoa da organização.

2. Lá não existem títulos nem caixinhas. Não tentem, por exemplo, achar o famoso Vice Presidente Executivo, pois ele não existe. A autoridade é conferida pela comunidade de colaboradores, de acordo com o número de seguidores de cada um. O próprio Terri foi indicado por seu pares.

3. Todos os funcionários são comprometidos com os resultados que se propuseram atingir, sem que, para tanto, precisem ser fiscalizados.

Difícil de acreditar, não é? E o pior é que deu certo. Para quem gosta de métricas, aí vão algumas:

1. A Gore possui hoje mais de 9 mil funcionários, na empresa conhecidos como colaboradores, espalhados por 30 países, inclusive no Brasil, onde está seu headquarter de vendas para a América do Sul.

2. Sua receita anual gira em torno dos 25 bilhões de dólares.

3. A empresa nunca deu prejuízo.

4. Há 14 anos consecutivos, entra na lista das 100 melhores empresas para trabalhar nos Estados Unidos, publicada pela Revista Fortune.

Para acabar, convido-os a conhecer melhor a trajetória, os valores e a cultura da empresa, clicando aqui. Vale por uns 10 (bons) livros de Gestão do Conhecimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…