Pular para o conteúdo principal

Inovação em Ação

Na minha postagem anterior, prometi que da próxima vez abriria meu caderninho virtual na seção dos exemplos animadores em gestão. É a parte menor do caderninho, é verdade, mas está crescendo rápido.

Para honrar a promessa, vamos falar hoje da W.L. Gore & Associates.

Mesmo que você nunca tenha ouvido falar desse nome, com certeza já usou um produto elaborado com alguns dos insumos revolucionários colocados no mercado por essa empresa norte-americana, fundada em 1958. Tecidos impermeáveis, cordas para guitarra, componentes para cabos de fibra ótica, válvulas cirúrgicas formam um tímido exemplo desse elenco. Clique aqui para se surprender mais.

Mas nós estamos falando da Gore não somente por causa de seus produtos, e sim pela maneira como ela os faz.

Quando ela foi aberta, seu fundador, Bill Gore, egresso da DuPont, tinha um sonho: criar uma empresa que tivesse a inovação como carro chefe (estamos em 1958, lembrem-se) na qual as pessoas tivessem prazer em trabalhar (se isso é raro ainda hoje, imaginem naquela época).

Aos poucos, o modelo de negócios da empresa foi sendo calibrado por esta visão. Em entrevista concedida a Gary Hamel, publicada na HSM de março/abril de 2001, aqui disponível para download (neste momento, apenas para assinantes) o atual presidente da Gore, Terri Kelly, detalha essa trajetória. Neste espaço, vou comentar apenas os três aspectos do modelo de gestão da Gore que mais me chamaram a atenção:

1. A empresa não se estrutura hierarquicamente. Seus colaboradores atuam em rede e podem se dirigir diretamente a qualquer pessoa da organização.

2. Lá não existem títulos nem caixinhas. Não tentem, por exemplo, achar o famoso Vice Presidente Executivo, pois ele não existe. A autoridade é conferida pela comunidade de colaboradores, de acordo com o número de seguidores de cada um. O próprio Terri foi indicado por seu pares.

3. Todos os funcionários são comprometidos com os resultados que se propuseram atingir, sem que, para tanto, precisem ser fiscalizados.

Difícil de acreditar, não é? E o pior é que deu certo. Para quem gosta de métricas, aí vão algumas:

1. A Gore possui hoje mais de 9 mil funcionários, na empresa conhecidos como colaboradores, espalhados por 30 países, inclusive no Brasil, onde está seu headquarter de vendas para a América do Sul.

2. Sua receita anual gira em torno dos 25 bilhões de dólares.

3. A empresa nunca deu prejuízo.

4. Há 14 anos consecutivos, entra na lista das 100 melhores empresas para trabalhar nos Estados Unidos, publicada pela Revista Fortune.

Para acabar, convido-os a conhecer melhor a trajetória, os valores e a cultura da empresa, clicando aqui. Vale por uns 10 (bons) livros de Gestão do Conhecimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…