Pular para o conteúdo principal

DE OLHO NO INVISÍVEL


Se a tese que defendo, de que estamos entrando na era da inovação continuada, for, de fato, verdadeira, teremos nos próximos anos um acirramento na guerra pelo conhecimento, embate que, embora já esteja rolando forte na turma dos que enxergam longe, é, ainda, bastante subestimada quanto aos efeitos que possa provocar, para o bem e para o mal, pela turma acostumada a enxergar o mundo pelo retrovisor.

Embora invisível, o conhecimento será o insumo que transformará empresas que ainda sequer nasceram ou que ostentam hoje a humilde condição de simples start-ups em líderes mundiais. Será também a única matéria prima que permitirá às grandes organizações globais, de todos os setores econômicos, manterem posição ou, em casos limite, permanecerem vivas.

Do ponto de vista dos governos nacionais, conforme já mencionei em postagens anteriores, o desafio de vida ou morte, será inserir seus respectivos países na economia do conhecimento, o que não é mole. Se notarmos que muitas nações sequer entraram na era industrial, mais de dois séculos passados de seu advento, imaginem o desafio que será, para todos os países, integrarem-se à sofisticada era do conhecimento.

Por dever de ofício, venho acompanhando diversas iniciativas adotadas em nações nas quais o debate sobre a economia do conhecimento encontra-se mais amadurecido. Sem a menor pretensão de esgotar o assunto, procurarei consolidar neste artigo os temas mais abordados nas agendas modernizadoras desses países, a maioria deles já comentadas isoladamente em postagens anteriores deste blog. Dos mais estratégicos, aos mais operacionais, destaco os seguintes pontos:

1. Readequação do sistema educacional para a economia do conhecimento. Esta providência envolve local, forma e conteúdo. Não há mais como pensar que o processo de aprendizagem deva se restringir às salas de aula. Aprender sempre, e em qualquer lugar, é o lema. Recomendo, neste sentido, a leitura do documento Remixing Cities, produzido pela CEOs for Cities, rede de urbanistas dedicados ao estudo das cidades norte-americanas do futuro. O jeito de ensinar também encontra-se na berlinda. O desafio é incorporar o uso das novas tecnologias e, o que é mais importante, incluir métodos pedagógicos que estimulem a reflexão e a visão crítica, essenciais para a compreensão da sociedade atual. Quanto ao conteúdo do ensino, há, também, uma preocupação forte em trazer para dentro do sistema educacional, novas disciplinas típicas da era do conhecimento, como aquelas vinculadas à nanotecnologia, biotecnologia, ecologia, sustentabilidade, novas tecnologias, entre muitas outras. A decisão entre reorientar, ou não, o ensino para os novos tempos significará, mais do que nunca, aprofundar ou diminuir desigualdades.

2. Construção de redes digitais cada vez mais densas, velozes e acessíveis a todos os cidadãos. A percepção de que, a cada momento, uma significativa e crescente percentagem do PIB - Produto Interno Bruto trafega por estradas virtuais, e não por rodovias, ferrovias, portos e aeroportos tem ampliado, de forma exponencial, o número de políticas públicas dedicadas ao problema. Esta preocupação vai do pequeno município, que enxerga nela a possibilidade de abocanhar novos e preciosos nichos de mercado, à grande nação que quer se manter competitiva ao longo do século XXI.

3. Incremento do número de ministérios, secretarias, agências e outras estruturas administrativas dedicadas especificamente à gestão do conhecimento e à inovação. Ainda que essas estruturas não sejam, per se, garantia de modernização efetiva, têm o mérito de dar visibilidade aos esforços de ruptura dos modelos e paradigmas industriais e à formação de uma nova cultura organizacional centrada na atividade multidisciplinar, no trabalho intersetorial e na criatividade.

4. Da concepção de um produto à sua colocação no mercado, há uma série de passos que demandam recursos monetários. Uma providência recorrente nos países, sejam eles grandes produtores de conhecimento, ou com pretensões explícitas neste sentido, tem sido a recalibragem das estruturas públicas de financiamento, de modo a valorizar a geração de produtos e serviços inovadores. Este desafio passa, também, por uma revisão nos critérios de priorização de recursos, de modo a incorporar, nesse modelo, a produção de bens intangíveis e abrir espaço para empresas cujo único capital seja a qualidade de seus recursos humanos.

5. Estímulo ao uso de métodos e técnicas gerenciais pós industriais, orientados para a captação e gerenciamento de idéias, estímulo à criatividade, tratamento de problemas complexos, prototipagem de produtos e serviços inovadores, e por aí vai. Uma boa visão sobre o estado da arte dessas técnicas e de suas aplicações práticas nas organizações governamentais e privadas pode ser vista no blog que trata de técnicas e ferramentas para inovação, o mais recente produto da rede paulista de inovação.

6. Os últimos dezoito meses mostraram a explosão da utilização de ferramentas sociais (blogs, twitter, wikis, vídeos, etc.) pelas organizações em geral e, mais recentemente, pelos governos. Esta revolução, dado seu impacto, tem gerado ações e reações que não podem ser tratadas de forma superficial. Neste sentido, conscientes da seriedade e inevitabilidade do problema, diversos países vêm reexaminando e atualizando suas respectivas legislações, no que tange a problemas delicados como segurança, publicidade/sigilo de informações, propriedade intelectual, ética, entre outros, de modo a garantir a sintonia entre estado e sociedade, em tempos de mudanças aceleradas.

7. Além de incorporar novas tecnologias, a modernização da administração pública demanda um consistente trabalho no campo da revisão de processos. Não basta automatizar o que existe, tema central das primeiras gerações de governo eletrônico. O grande esforço objetiva, agora, aumentar a inteligência dos processos, envolvendo questões como desburocratização, integração, incorporação de novas demandas, transparência, etc.

8. O barateamento dos custos de comunicação e a integração de diferentes mídias tem permitido ao setor publico colocar à disposição dos cidadãos uma série de novos serviços que aproveitem a rapidez, a mobilidade, e o tipo de linguagem desses recursos. A utilização de vídeos, nos quais altos dirigentes públicos falam de forma direta e descomplicada com todos os cidadãos (a propósito, recomendo a leitura da postagem do blog do Youtube Brasil do dia 14 de abril de 2010) e a utilização de torpedos para o agendamento de serviços públicos são dois exemplos desta tendência. Mais ainda, o amadurecimento e a popularização das tvs digitais irão permitir, em breve, a aceleração desse tipo de contato e a entrega de diversos tipos de serviço, na própria casa do cidadão.

9. A explosão das redes sociais está gerando uma nova e revolucionária etapa na relação entre governo e sociedade, provocando um rápido avanço na democracia participativa. Para ilustrar este movimento, cito aqui dois exemplos: realização de consultas populares, envolvendo desde o macroplanejamento de cidades até pequenas intervenções urbanas; e, a avaliação de serviços públicos prestados diretamente por quem os utiliza.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid