Pular para o conteúdo principal

Ser trabalhador na administração pública




Assim como no Brasil, o governo português desenvolveu seu Portal para Servidores Públicos, numa preocupação presente há tempos em arquitetura de e-gov, qual seja cobrir os principais perfis de relacionamento com governo: cidadão, empresas e funcionários/servidores .
Aqui, muitos Estados já possuem seu portal regional. Mas a diferença com o novo modelo de Portugal está em como utilizam esse espaço virtual.

Enquanto a maioria dos portais brasileiros expõe os serviços oferecidos e as últimas notícias sobre as ações realizadas para a população (note que o foco deveria ser o funcionário), o portal português foca na função pública do servidor dentro da sociedade, como uma espécie de manual sobre o tema.

Com três cores diferentes, lembrando um semáforo, o site divide o conteúdo de acordo com a intenção do usuário: saber mais sobre iniciar, exercer ou encerrar uma carreira pública.
A simplicidade da apresentação destaca pontos essenciais. Um exemplo: a cor vermelha indica informações aos que pretendem dar início a uma carreira pública, por esse motivo, encontra-se conteúdos como “A procura de emprego público, o recrutamento e os métodos de seleção” ou “ Conhecer os benefícios sociais”.

As informações, ignoradas por muitos portais brasileiros, parecem óbvias à primeira vista, mas esclarecem assuntos fundamentais, reforçam a seriedade do trabalho no ambiente público e resgatam a auto-estima do funcionalismo.

O portal prova que não é preciso superlotar o usuário de informações para ter qualidade. Ao mesmo tempo, os interessados em notícias atualizadas sobre o tema, podem conferí-las na home da Direção Geral da Administração e do Emprego Público.

A iniciativa reitera a idéia de que a Europa tem investido em fortes conceitos para construir a base de um novo momento para o funcionalismo público, como comentado anteriormente no iGovSaber.

Comentários

Passei para fazer uma visitinha, ler as novidades e te desejar um lindo Natal!
Muitas ideias maravilhosas em 2010 para desfrutarmos o ano todo o teu talento.
Abraços!
Alvaro Gregorio disse…
Sonia,

Agradeço sua visita e a gentileza de suas palavras, da mesma forma ao seu trabalho em seu blog, que tenho lá visitado aos poucos, mas sempre.
Um bom ano para você e que continuemos com a inovação em nossos assuntos.
Um ano de criatividade e realizações!

Alvaro

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Laboratório é problema, mas a governança ajuda a resolver

É preciso considerar que um laboratório de inovação pode atrair pessoas que desprezam as regras, não tanto por rebeldia, mas como um estilo de vida, um espírito independente que busca ocupar um espaço. O lab será visto como um oásis – ou miragem – no deserto de novas ideias das corporações. Em parte isso é justificado pela aura de criatividade que envolve o novo ambiente ao transmitir uma mensagem de liberdade, com suas técnicas de ideação que estimulam a distância dos valores burocráticos e, claramente, a palavra disruptura que carrega um certo rompimento com padrões. Isso cria alguns problemas iniciais para a organização que começa o funcionamento do laboratório, tais como: se outras organizações participarão do laboratório, alguns ajustes serão necessários; a segurança física/predial pode ser fragilizada com a presença de “gente de fora”; a segurança digital terá que se adequar ao ambiente de acesso irrestrito e wifi; os horários de funcionamento podem sofrer mudan