Pular para o conteúdo principal

As Cidades dão as Cartas

A edição especial de 40 anos da revista Exame, publicada em dezembro de 2007, apresentou uma interessante matéria sobre a importância das cidades na sociedade do conhecimento.

A reportagem baseou-se, primordialmente, em um ranking de cidades formulado pela “Globalização e Cidades Mundiais”, GaWC, na sigla em inglês, grupo de estudos sediado na Universidade de Loughborough, em Liverpool, na Inglaterra.

Alguns aspectos tratados na matéria, mais diretamente vinculados ao escopo deste espaço, merecem nossa atenção e reflexão.

1. Mais importante dos que os países, uma seleta rede de não mais do que 40 cidades, controla e articula toda a produção mundial. Nelas, está o comando do capitalismo pós industrial, que tem na inovação seu principal combustível. Elas formam, nas palavras do cineasta americano, Eric Burns, o “laboratório humano supremo”.

2. O ranking da “GaWC” é liderado por Londres. Depois de ser ultrapassada por Nova York, nos anos 30, do século passado, Londres reassume, agora, o posto símbólico de “capital do mundo”. A abertura econômica, a eficiência do sistema financeiro e a impecável infra-estrutura tecnológica fazem da capital inglesa a cidade mais globalizada do planeta. Ao contrário, o protecionismo e excessos regulatórios, amplificados depois do “11 de setembro”, fizeram que Nova York ficasse para trás em segmentos críticos do sistema financeiro, como os de bancos de investimento, por exemplo.

3. Para que se tenha uma idéia da força da capital londrina, ela dispõe, segundo a consultoria americana Telegeography, a maior infra-estrutura mundial em banda larga, com uma capacidade de tráfego de 2,3 trilhões de bits po segundo. É por essas infovias que circula o conhecimento, a principal riqueza dos tempos atuais. Sem esse recurso, teria sido impossível, para Londres, uma pequena capital situada em uma ilha, tornar-se o maior mercado de câmbio do mundo e executar 70% da venda de títulos da dívida publica global.

4. São Paulo, aparece nessa seleta lista em 14º lugar. Para galgar esta posição, a capital paulista e seu entorno, superaram sua vocação fabril anterior, ingressando no ultra competitivo mundo das metrópoles pós-industriais. Esta região, que responde por cerca de 15 do PIB nacional, tornou-se o centro de decisões corporativas e principal motor econômico-financeiro da América Latina como um todo, batendo Rio de Janeiro, México e Buenos Aires.

5. A posição de São Paulo não é, no entanto, tranqüila. Problemas sérios de poluição, deficiências no sistema de transportes e a violência achatam a qualidade de vida da métropole. Sem atacar de frente esses gargalos, a capital paulista não pode alçar vôos mais altos. A força das grandes cidades, segundo Michael Bloomberg, prefeito de Nova York, está na capacidade das mesmas em incubar mudanças e liderar inovações. Para isso elas precisam atrair e reter talentos, recursos muito voláteis, que mais do que o salário em si, buscam, cada vez mais, um espaço adequado de trabalho.

A lista completa das 14 cidades mais globalizadas, abordadas na matéria é a seguinte: 1º Londres, 2º Nova York, 3º Hong Kong, 4º Paris, 5º Tóquio, 6º Cingapura, 7º Toronto, 8º Chicago, 9º Madri, 10º Frankfurt , 11º Milão, 12º Amsterdã, 13º Bruxelas e 14º São Paulo.

Veja a matéria completa no Portal da Revista Exame.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid