Pular para o conteúdo principal

Ontem x Amanhã

De quando em vez, volta a baila a questão da liberação do acesso às ferramentas da web 2.0, tais como blogs, wikis e redes sociais, dentro das organizações.

Esta cantilena mostra, uma vez mais, que a maior ou menor abertura para a mudança nas organizações é balizada, normalmente, pela cultura predominante dentro delas, e não pela disponibilidade per se de novas tecnologias. Entidades que consolidaram ao longo do tempo um ambiente cultural mais aberto à mudança tendem a enxergar melhor o impacto do novo em seus modelos de negócio, conseguindo, desta forma, redesenhá-los mais rapidamente. Já aquelas organizações acostumadas a acompanharem o mundo pelo retrovisor, estão propensas a subestimar o impacto das ondas de inovação, hoje cada dia mais freqüentes e profundas.

Os governos, em geral, situam-se neste segundo conjunto, com um agravante, além dos obstáculos de cunho cultural possuem amarras de caráter legal que dificultam, ainda mais, a adoção de inovações.

Só que não dá mais para ser assim. Em tempos de mudança continuada, marcados pelo complexo e pelo transitório, todas as organizações, sejam elas privadas ou públicas, não podem se dar ao luxo de empurrar o novo com a barriga. Nos governos, em particular, que constituem nosso foco de interesse, a adoção das ferramentas sociais torna-se cada vez mais fundamental na definição de estratégias coerentes com a sociedade do conhecimento, no desenho de políticas públicas inovadoras e na implementação de novos serviços públicos.

E por tudo que li e vi, até aqui, na maioria dos casos, as mudanças trazidas pelos novos tempos têm sido mais bem percebida pelos políticos, mais sensíveis às novas demandas e comportamentos da sociedade, do que pela máquina administrativa, mais ligada em tecnalidades pouco relevantes em momentos de mudanças radicais. Não por acaso, as ferramentas sociais só foram sendo aceitas no setor público quando a vontade política manifesta por presidentes, primeiros-ministros, ministros e secretários de estado tornaram a decisão inexorável. A eleição e os cem primeiros dias da administração Barack Obama nos Estados Unidos são o mais claro exemplo disto. Mas há muitos outros, é só dar uma passeadinha pelas diversas postagens deste blog. Vale a pena ler, também, o estudo Governo 2.0 - Inclusão, Participação e Inovação como Estratégia preparado pela TerraForum Consultores.


Meu sentimento indica que nos países democráticos, essas iniciativas continuarão ganhando força e farão com que tentativas de proibir o uso das ferramentas sociais em organizações públicas, dentro em breve, soem tão estranhas como tentar revogar a lei da gravidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…