Pular para o conteúdo principal

Ontem x Amanhã

De quando em vez, volta a baila a questão da liberação do acesso às ferramentas da web 2.0, tais como blogs, wikis e redes sociais, dentro das organizações.

Esta cantilena mostra, uma vez mais, que a maior ou menor abertura para a mudança nas organizações é balizada, normalmente, pela cultura predominante dentro delas, e não pela disponibilidade per se de novas tecnologias. Entidades que consolidaram ao longo do tempo um ambiente cultural mais aberto à mudança tendem a enxergar melhor o impacto do novo em seus modelos de negócio, conseguindo, desta forma, redesenhá-los mais rapidamente. Já aquelas organizações acostumadas a acompanharem o mundo pelo retrovisor, estão propensas a subestimar o impacto das ondas de inovação, hoje cada dia mais freqüentes e profundas.

Os governos, em geral, situam-se neste segundo conjunto, com um agravante, além dos obstáculos de cunho cultural possuem amarras de caráter legal que dificultam, ainda mais, a adoção de inovações.

Só que não dá mais para ser assim. Em tempos de mudança continuada, marcados pelo complexo e pelo transitório, todas as organizações, sejam elas privadas ou públicas, não podem se dar ao luxo de empurrar o novo com a barriga. Nos governos, em particular, que constituem nosso foco de interesse, a adoção das ferramentas sociais torna-se cada vez mais fundamental na definição de estratégias coerentes com a sociedade do conhecimento, no desenho de políticas públicas inovadoras e na implementação de novos serviços públicos.

E por tudo que li e vi, até aqui, na maioria dos casos, as mudanças trazidas pelos novos tempos têm sido mais bem percebida pelos políticos, mais sensíveis às novas demandas e comportamentos da sociedade, do que pela máquina administrativa, mais ligada em tecnalidades pouco relevantes em momentos de mudanças radicais. Não por acaso, as ferramentas sociais só foram sendo aceitas no setor público quando a vontade política manifesta por presidentes, primeiros-ministros, ministros e secretários de estado tornaram a decisão inexorável. A eleição e os cem primeiros dias da administração Barack Obama nos Estados Unidos são o mais claro exemplo disto. Mas há muitos outros, é só dar uma passeadinha pelas diversas postagens deste blog. Vale a pena ler, também, o estudo Governo 2.0 - Inclusão, Participação e Inovação como Estratégia preparado pela TerraForum Consultores.


Meu sentimento indica que nos países democráticos, essas iniciativas continuarão ganhando força e farão com que tentativas de proibir o uso das ferramentas sociais em organizações públicas, dentro em breve, soem tão estranhas como tentar revogar a lei da gravidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado