Pular para o conteúdo principal

Pra não dizer que não falei do Campus Party


Recebi uma reclamação de que dou mais atenção ao que se passa fora daqui, deixando de comentar acontecimentos "bem debaixo do meu nariz", como foi o evento Campus Party Brasil, realizado em São Paulo.

Tento justificar que este humilde blog ambiciona com modéstia cobrir os aspectos de inovação em governo, que não era esse o foco do CPB e que, como todo mundo sabe, a imprensa deu ampla cobertura ao evento, uns 140 blogueiros ficaram postando e reportando cada minuto (mesmo os desinteressantes), enfim que eu nem tinha ido lá e só poderia repetir o que falaram.
Mas me rendo e aqui posto alguns caminhos pós-party.

Para quem perdeu, não quis ir, foi e só deu uma passadinha, viu techos pela TV ou, como eu, não se imagina acampando no Parque Ibirapuera no meio de nerds, mas ainda quer saber o que rolou no Campus Party, a equipe de gestão em tecnologias da educação da Fundação Vanzolini preparou e disponibilizou na rede todas as palestras.

Na mesma semana após o acampamento hightech, a TV Cultura levou ao ar a síntese de uma hora com material editado da sua marcante presença no evento e ficou ótimo. Aliás, a mesma emissora exibiu na última segunda-feira no programa Roda Viva uma entrevista com Steven Johnson, que também havia feito uma palestra no Campus Party.

Tudo muito bom... quem sabe no próximo eu vá. A foto peguei do site do Tiago Dória, um bom campuseiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…