Pular para o conteúdo principal

Pra não dizer que não falei do Campus Party


Recebi uma reclamação de que dou mais atenção ao que se passa fora daqui, deixando de comentar acontecimentos "bem debaixo do meu nariz", como foi o evento Campus Party Brasil, realizado em São Paulo.

Tento justificar que este humilde blog ambiciona com modéstia cobrir os aspectos de inovação em governo, que não era esse o foco do CPB e que, como todo mundo sabe, a imprensa deu ampla cobertura ao evento, uns 140 blogueiros ficaram postando e reportando cada minuto (mesmo os desinteressantes), enfim que eu nem tinha ido lá e só poderia repetir o que falaram.
Mas me rendo e aqui posto alguns caminhos pós-party.

Para quem perdeu, não quis ir, foi e só deu uma passadinha, viu techos pela TV ou, como eu, não se imagina acampando no Parque Ibirapuera no meio de nerds, mas ainda quer saber o que rolou no Campus Party, a equipe de gestão em tecnologias da educação da Fundação Vanzolini preparou e disponibilizou na rede todas as palestras.

Na mesma semana após o acampamento hightech, a TV Cultura levou ao ar a síntese de uma hora com material editado da sua marcante presença no evento e ficou ótimo. Aliás, a mesma emissora exibiu na última segunda-feira no programa Roda Viva uma entrevista com Steven Johnson, que também havia feito uma palestra no Campus Party.

Tudo muito bom... quem sabe no próximo eu vá. A foto peguei do site do Tiago Dória, um bom campuseiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado